Ir para o conteúdo
ou

Software livre Brasil

Tela cheia
 Feed RSS

Blog Paulo Santana

26 de Maio de 2009, 21:00 , por Desconhecido - | No one following this article yet.

Uma proposta de FISL's itinerantes e temáticos

14 de Junho de 2016, 10:55, por Paulo Santana - 1Um comentário

Comecei a participar do FISL - Fórum Internacional Software Livre, em 2005 quando ainda era estudante ciência da computação na UFPR e de lá para cá participei de todas as edições. Vi o FISL chegar ao seu auge em termos de público em 2009 quando o Presidente Lula participou da 10ª edição deixando uma marca histórica no evento com quase 10.000 participantes. Sempre tive amigos(as) entre pessoal da organização, e algumas deles(as) eu já conhecia da época que participava do movimento estudantil de computação, antes mesmo de ir ao FISL.

Lembro que nas primeiras edições que fui, era até difícil andar pelos corredores de tanta gente que tinha, era comum não conseguir entrar em um auditório porque já estava lotado, e eram usados auditórios espalhados pela PUCRS nos levando a andar de um lado para o outro do Campus. E sempre os encerramentos eram grandes festas para celebrar o fim de mais uma edição.

A sensação que tinha era que o pessoal envolvido na organização, apesar do esforço gigantesco, tinha muito prazer em trabalhar naquilo, e os participantes admiravam muito o FISL principalmente por reconhecer o evento como o principal local de encontro da comunidade de Software Livre no Brasil.

Provavelmente motivados por esse cenário de sucesso, era comum ver nas semanas seguintes a realização do FISL pessoas levantando o debate principalmente em listas de discussão como do PSL-Brasil sobre o FISL se tornar um evento itinerante, ou seja, ele mudar de cidade a cada ano ao invés de acontecer sempre em Porto Alegre. Algumas opiniões eram de que se o FISL fosse para outras regiões do país, pessoas que não podiam viajar para o Sul, poderiam então participar. Por outro lado, o argumento era de que o FISL é um evento de Porto Alegre, organizado por pessoas em sua maioria residentes em Porto Alegre, e gerenciado pela ASL.Org que é uma entidade sediada em Porto Alegre. Alguns amigos me disseram pessoalmente que havia também a preocupação que se grupos de outras cidades organizassem o FISL, o evento poderia não ter a mesma qualidade por não ter pessoas com experiência suficiente envolvidas diretamente na organização local.

Em um dos primeiros FISL que participei o Roberto Requião, então governador do Paraná, participou da cerimônia de abertura do FISL porque o Paraná estava se destacando no apoio ao Software Livre principalmente por meio da Celepar. O boato que rolou naquele ano era que o Requião ia propor trazer o FISL para Curitiba porque existia uma incerteza se a prefeitura de Porto Alegre ou o governo do Rio Grande do Sul (não lembro exatamente qual dos dois) continuaria apoiando o Software Livre e consequentemente o FISL, porque havia acontecido uma mudança de cargo. E mais recentemente a comunidade de Software Livre do Pará fez uma proposta para levar o FISL para Belém. Não sei detalhes dessas e outras propostas e não sei exatamente porque foram recusadas, mas o fato é que FISL continoou em Porto Alegre.

Nessa discussão eu sempre achei que quem queria organizar um evento de Software Livre na sua cidade, não precisava ser "o FISL", mas poderiam organizar eventos com outros nomes. Ao longo dos anos vimos vários eventos acontecendo pelo país como por exemplo: ESLAM em Manaus; FASOL  em Santarém; ENSL em 5 capitais do Nordeste; ENSOL em João Pessoa; FSLBA em Salvador; FGSL em Goiânia; Fórum Espírito Livre em cidades do Espírito Santo; CONISLI em São Paulo; Latinoware em Foz do Iguaçu; SOLISC em Florianópolis e outras cidades de Santa Catarina; FTSL em Curitiba; FLISOL em dezenas de cidades brasileiras. Alguns desses eventos não existem mais e outros continuam acontecendo até hoje. A principal característica desses eventos sempre foi reunir a comunidade de Software Livre para atividades de diversas áreas, desde as discussões políticas/filosóficas/sociais do movimento software livre até questões mais técnicas como linguagens de programação, banco de dados, redes, segurança, etc, por isso vou chamá-los de "eventos generalistas".

É perceptível que nos últimos anos o FISL passou a ter menos participantes. Não tenho números oficiais, mas olhando a ocupação dos auditórios e da quantidade de pessoas nos corredores durante os 4 dias do evento, o público diminuiu bastante. Assim como diminuiu também o número de patrocinadores, especialmente as grande empresas. Lembro de ter visto estandes do Terra, Globo.com, Google, Intel, Redhat, Canonical, Oracle, além de empresas dos governos como Serpro, Dataprev, Banco do Brasil, Caixa Economica, Celepar, Procergs e Procempa, e Ministérios como da Cultura, do Planejamento, da Comunicação, da Ciência e Tecnologia, etc.

No FISL de 2014 decidi me associar a ASL.Org, e em 2015 fui convidado a fazer parte do GT-Temário que é o grupo de pessoas que organiza programação do evento. A experiência foi muito legal e este ano estou novamente participando do GT-Temário do FISL17. Então o FISL de 2016 será minha segunda vez participando da organização.

Por estar associado a ASL.Org e envolvido na organização do FISL, fiquei pensando sobre quais seriam as causas que levaram a diminuição dos participantes. Vou aproveitar trechos de duas mensagens que mandei recentemente para a lista de associados da ASL.Org, e editá-las para expor o que eu penso sobre qual é o problema atualmente e provocar possíveis soluções.

O problema

Já faz algum tempo que percebo que os eventos organizados por comunidades no Brasil sobre temas ou softwares específicos tem recebido bons públicos e ajuda de várias empresas. Alguns desses eventos tem mais 1.000 participantes e recebem patrocínios de grandes empresas nacionais e até mesmo internacionais. Alguns eventos que aconteceram em 2105 e 2016 são: PHP Conference Brasil, RubyConf Brasil, Tropical Ruby, Python Brasil, Python Nordeste, PGBR, PGDay (Campinas, Curitiba), PentahoDay, Encontro Nacional do LibreOffice, Joomla Day (Brasil, Ribeirão Preto, São Paulo, Salvador),WordCamp (Belo Horizonte, Porto Alegre, São Paulo), DrupalCamp/DrupalDay (São Paulo, Porto Alegre, Campinas), Lakademy, Rails Girls, Workshop Django Girls, Cryptorave, etc. São eventos essencialmente técnicos e que eu acredito que não tem restrições quanto a receber apoios de empresas como Google, Facebook, e mesmo Microsoft, que para eventos mais ligados a filosofia do software livre como o FISL poderiam causar críticas à organização.

Até porque como bem lembrou um outro associado em uma reunião da ASL.Org, pessoas das comunidades trabalham nessas empresas e conseguem acesso ao pessoal de marketing. Recentemente ouvi que um desses eventos conseguiu patrocínio do Google e da Globo.com porque tem pessoas da comunidade que trabalham nessas empresas e se tornam facilitadores para uma conversa sobre patrocínio.

Eu sempre tive o FISL como o principal evento para as comunidades se encontrarem, mas parece que isso está deixando de existir justamente porque as comunidades estão preferindo se encontrar nos seus eventos. E dessa forma, eventos generalistas como FISL acabam ficando em um certo limbo, talvez isso explique a queda no número de inscritos. Se no passado eu achava que FISL, Latinoware, Campus Party, eram eventos "concorrentes" entre si, eu passei a ver que os verdadeiros concorrentes hoje para o FISL são os eventos das comunidades como esses citados anteriormente.

Possíveis soluções

Se há uma mudança no comportamento das comunidades em relação ao FISL, acredito que o FISL deveria se adequar a isso e estudar formas de, ou voltar a atrair essas comunidades e/ou focar em outros perfis de pessoas. Por exemplo, sabemos que estudantes de TI gostam de ir aos eventos para atividades mais práticas como oficinas, será que o se o FISL então tiver mais oficinas, teremos mais público? E o que o FISL pode oferecer às comunidades para que o evento volte a ter relevância para elas?

Uma pequena tentativa de mudar o formato padrão está sendo feita este ano no FISL17 com a criação dos minieventos das comunidades. Esses minieventos são justamente espaços para que as comunidades realizem seus eventos dentro do espaço do FISL e assim o Fórum se torne uma espécie de guarda-chuva.

Outra sugestão é a ASL.org aproveitar que marca "FISL" se tornou ao longo desses 17 anos uma marca forte e reconhecida pela comunidade de Software Livre e atender a algumas demandas:

  1. Grupos querendo organizar um FISL nas suas cidades;
  2. Eventos focados em temáticas específicas;
  3. Continuidade na divulgação dos benefícios do Software Livre pelo país;
  4. Aumento do número de participantes e patrocinadores de forma distribuída;
  5. Geração de renda com Software Livre;
  6. Necessidade de aumentar a arredação financeira da ASL.Org para investir em outros projetos.

Como eu acredito que é muito difícil o FISL voltar a ter 5 mil, 6 mil, 7 mil participantes em uma única edição em Porto Alegre como no passado, a ideia então é criar FISL's temáticos espalhados pelo país acontecendo durante 2 ou 3 dias, organizados por comunidades locais das cidades com a ajuda do pessoal da ASL.Org. Sendo assim, teríamos edições com temas próximos aos que são as trilhas e áreas do FISL.

Alguns exemplos de FISL's temáticos:

  • FISL Negócios: discussões com grande e pequenas empresas, startups, etc, sobre como gerar mercado com software livre, apresentando fornecedores, clientes, cases de sucesso. O foco principal não são as discussões técnicas e filosóficas/sociais do SL.
  • FISL Desenvolvimento: atividades técnicas sobre linguagens livres de programação como PHP, Python, Ruby, etc.
  • FISL CMS: atividades sobre WordPress, Joomla, Drupal, Plone, etc.
  • FISL Segurança/Privacidade: atividades sobre segurança, privacidade, espionagem, criptografia, etc.
  • FISL Aplicações Desktop: atividades sobre Gimp, Inkscape, Blender, LibreOffice, Mozilla, KDE, Gnome, jogos, etc.
  • FISL Banco de Dados: atividades sobre PostgreSQL, Mysql, Mariadb, NoSQL, etc.
  • FISL Sistemas Operacionais: atividads desde o kernel Linux até distribuições como Debian, Ubuntu, Fedora, Arch, etc.
  • FISL Educação: atividades relacionados a educação com a ajuda do pessoal do GT-Educação.
  • FISL Cultura, Filosofia, e Política: discussões de temas filosóficos, sociais e políticos do movimento software livre.
  • FISL Políticas Públicas: discussões sobre o software livre nos governos federal, estaduais e municipais.
  • FISL Administração de Redes e Sistemas: atividades focadas nas tarefas de sysadmin, devops, etc.
  • FISL Mulheres: focado em incentivar a participação de mais mulheres na comunidade de software livre, parecido com o Encontro MNT.

Assim, nós aqui da comunidade de Software Livre em Curitiba poderíamos organizar por exemplo o "FISL Negócios". Outros exemplos: o pessoal de Belém poderia organizar o "FISL Desenvolvimento", o pessoal de São Paulo o "FISL CMS", o pessoal do Rio de Janeiro o "FISL Aplicações Desktop", o pessoal de Brasília o "FISL Políticas Públicas", o pessoal do João Pessoa o "FISL Cultura, Filosofia e Política", e por aí vai. Todos esses FISL's teriam patrocinadores e inscrições pagas para custear o próprio evento, incluindo pagamento de algumas pessoas envolvidas na organização como forma de gerar renda para elas, e o que sobrar seria revertido para a ASL.Org.

Obviamente o FISL generalista que conhecemos hoje continuaria acontecendo uma vez por ano em Porto Alegre como o encontro das comunidades, com objetivo principal de planejar as ações futuras. Mas com a diminuição da expectativa e da pressão de ser "o evento de software livre único e principal". Os FISL's temáticos inclusive ajudariam a divulgar esse FISL principal de Porto Alegre e a vender ingressos.

A organização dos FISL's temáticos não será algo simples de acontecer, principalmente porque dependerá do compromisso das comunidades locais em trabalhar sob a orientação da Coordenação Geral da ASL.Org, mas tenho certeza que muita gente se sentirá motivada em colaborar.

 

 



Eventos itinerantes de TI

23 de Maio de 2016, 16:37, por Paulo Santana - 0sem comentários ainda

Eventos de TI que acontecem em várias cidades durante o ano.

TDC - The Developers Conference

Encontro Locaweb de Profissionais de Internet

Roadsec

  • Empresa: Flipside
  • http://roadsec.com.br
  • Cidades em 2016:
    • Aracaju
    • Belo horizonte
    • Brasília
    • Campo grande
    • Cuiabá
    • Curitiba
    • Fortaleza
    • Londrina
    • Maceió
    • Manaus
    • Natal
    • Porto Alegre
    • Recife
    • Rio de Janeiro
    • Salvador
    • São Paulo
    • Teresina

 

 



FISL17 está com chamadas de atividades abertas

29 de Março de 2016, 15:19, por Paulo Santana - 0sem comentários ainda

Nunca é demais lembrar que estão abertas chamadas de atividades para o FISL17 - Fórum Internacional Software Livre, que acontecerá de 13 a 16 de julho de 2016 na PUCRS em Porto Alegre.

07 de abril: chamada de trabalhos (palestras, oficinas e encontros comunitários)

http://softwarelivre.org/fisl17/o-evento/hospedagem-oficial/aberta-chamada-de-trabalhos-para-o-fisl17

10 de abril: chamada para minieventos de comunidades de software livre

http://softwarelivre.org/fisl17/o-evento/hospedagem-oficial/comunidades-de-software-livre-venham-fazer-seu-minievento-no-fisl

10 de abril: chamada para o Workshop Software Livre (WSL)

http://softwarelivre.org/fisl17/o-evento/hospedagem-oficial/chamada-de-trabalhos-aberta-para-o-wsl

E a partir de 01 de abril estará aberta as inscrições para participantes:

http://softwarelivre.org/fisl17/inscricoes/participantes

Quer ajudar a ASL.Org a continuar organizando suas atividades, especialmente o FISL?

Faça uma doação para a entidade:

http://softwarelivre.org/portal/noticias/asl.org-lanca-campanha-de-doacao-para-realizar-o-fisl17

 

Bannersitefisl170



Incentivo ao aumento de mulheres palestrantes no FISL17

10 de Março de 2016, 1:34, por Paulo Santana - 0sem comentários ainda

Publiquei o texto abaixo no Blog Mulheres, Tecnologia e Oportunidades no dia 08 de março de 2016 para celebrar o Dia Internacional da Mulher.

Ano passado fiz parte do grupo que organizou a programação do FISL16 - Fórum Internacional Software Livre e durante os trabalhos que antecederam o evento decidimos convidar várias mulheres para palestrarem.Em parceria com o grupo Mulheres na Tecnologia organizamos alguns painéis que contaram com a participação apenas de mulheres debatendo temas como "cenário tecnológico (o que nos espera? o que mais pode ser feito?)", "como contribuir com projetos de Software Livre", "mercado de trabalho de TI", "mulheres da TI e nas comunidades de Software Livre".

Para ver as mulheres que foram convidadas para o FISL16, você pode acessar as páginas de destaques e convidados(as). Além destas, várias outras mulheres palestraram porque foram bem votadas na avaliação pública e posteriormente confirmadas na programação. A Adriana até fez um post aqui no blog sobre a participação das mulheres nas atividades do FISL16. O resultado deste trabalho é que tivemos 25% de mulheres entre todos os palestrantes do evento, o que foi um recorde entre todas as edições do FISL!

Como hoje é celebrado o Dia Internacional da Mulher, gostaria de aproveitar esta data para incentivar que mais mulheres palestrem no FISL porque esta campanha não pode se limitar apenas ao ano passado. O incentivo por mais mulheres palestrantes precisa ser contínuo e com isso passar a mostrar o crescimento a cada ano. Ontem (07 de março) a organização do FISL17 abriu a chamada de trabalhos para que a comunidade envie propostas de palestras e oficinas que serão avaliadas pelo público e as melhores classificadas serão selecionadas para o evento. O FISL17 acontecerá de 13 a 16 de julho de 2016 no Centro de Eventos da PUCRS em Porto Alegre - RS.

Banner da chamada de trabalhos do FISL17

Então, convido as mulheres da comunidade de Software Livre para enviarem propostas de palestras e/ou oficinas para o FISL17. Independente do tema ser técnico ou teórico/filosófico/social, se a palestrante tem muita ou pouca experiência de falar em público, o importante é que todas aproveitem esta oportunidade para transmitirem seus conhecimentos no mais importante evento de Software Livre do país!

Também aproveito para solicitar as mulheres que palestraram em edições anteriores do FISL a incentivarem outras mulheres a palestrarem na próxima edição. Vocês que já palestraram podem servir de exemplo para as novatas e mostrar o quanto é legal e importante participar do FISL. E claro, as veteranas também devem enviar suas propostas porque queremos ver vocês novamente este ano lá no evento :-)

Mesa mercado de trabalho de TI no FISL16 



Campanhas de financiamento coletivo da comunidade Software Livre

9 de Março de 2016, 17:08, por Paulo Santana - 0sem comentários ainda

Quer ajudar algum projeto, evento, ou espaço da comunidade Software Livre? Conheça algumas campanhas de financiamento coletivo organizadas por entidades ou pessoas e contribua financeiramente para o seu sucesso.

 

ASL.Org - Associação Software Livre.Org

A ASL.Org está com uma campanha de arrecadação para ajudar a financiar os trabalhos da entidade, em especial o FISL17 - Fórum Internacional Software Livre que acontecerá de 13 a 16 de julho de 2016 no Centro de Eventos da PUCRS em Porto Alegre

Valor mínimo da doação é R$ 10,00 mas com uma doação de R$ 170,00 você recebe um ingresso cortesia para o FISL17 e uma camiseta oficial do evento.

Meta fixa: 1.000 contribuições.

Prazo final para doação: 31 de março.

Site para doação: http://segue.fisl17.softwarelivre.org

 

 

Cryptorave

Os organizadores da Cryptorave que acontecerá nos dias 06 e 07 de maio no Centro Cultural São Paulo estão com uma campanha de arrecadação para ajudar a financiar o evento.

Os valores para doação vão de R$ 10,00 até R$ 1.000,00 e as recompensas variam de acordo com o valor doado.

Meta fixa: R$ 45.000,00

Prazo final para doação: 14 de abril de 2016

Site para doação: https://www.catarse.me/cryptorave2016

 

Libre Graphics Meeting 2016

O Libre Graphics Meeting é o encontro anual de desenvolvedores e usuários de aplicativos gráficas de software livre como Inkscape, Scribus, GIMP, Blender, Krita, Open Clip Art Library, Open Font Library, etc, e que acontecerá de 15 a 18 de abrll de 2016 em Londres.

Você pode doar qualquer valor, e não há recompensas exceto o prazer de poder contribuir para a realização do evento.

Meta fixa: U$ 10.000,00

Prazo final para doação: não informado.

Site para doação: https://pledgie.com/campaigns/30935

 

Free Software Foundation

A Free Software Foundation mantém em seu site uma campanha contínua de arrecadação de doações que começa com U$ 25,00.

Site para doação: https://my.fsf.org/donate

Você também pode se tornar um membro da FSF contribuindo mensalmente com o valor de U$ 10,00 ou anualmente com U$ 120,00, e entidade envia para você um cartão de associação USB bootável rodando Trisquel.

Se você contribuir com U$ 500,00 anuais, eles colocam seu nome na página de contribuidores "Thank GNUs": https://www.gnu.org/thankgnus/thankgnus.en.html

Site para se tornar um membro: https://my.fsf.org/associate/support_freedom/join_fsf

 

Software Freedom Conservancy

A Software Freedom Conservancy mantém em seu site uma campanha para angariar apoiadores que poderão contribuir com um valor mensal mínimo de U$ 10 ou anual mínimo de U$ 120,00.

Se vocẽ escolher a doação anual ou no mínimo U$ 60,00 mensais, a entidade envia uma camiseta para você. A entidade também mantém uma página com a lista de doadores: https://sfconservancy.org/sponsors/#supporters

Meta fixa: 2.500 contribuidores

Site para doação: https://sfconservancy.org/supporter/#donate-box

 

Account backup and restore for diaspora*

Um desenvolvedor Russo chamado Senya criou uma campanha de arrecadação para financiar o desenvolvimento de uma funcionalidade de migração de conta (backup/restore) para a rede social diaspora. Ele promete dedicar pelo menos 40 horas semanais para o trabalho e pretende terminar em 3 meses. Caso ele acabe antes, ele vai dedicar o tempo para resolver issues do diaspora.

Os valores para doação vão de € 5,00 a € 350,00  e as recompensas variam de acordo com o valor doado.

Meta fixa: € 3.500,00

Prazo final para doação: 21 de março de 2016

Site para doação: https://www.indiegogo.com/projects/account-backup-and-restore-for-diaspora--3#

 

Hackerspaces

Alguns hackerspaces brasileiros mantém campanhas de financiamento coletivo recorrente, ou seja, o doador se compromete a doar mensalmente um valor que ajudará a custear o espaço.

Raul Hacker Club: https://unlock.fund/pt-BR/raulhc

Calango Hacker Clube: https://unlock.fund/pt-BR/calangohc

Tarrafa Hacker Clube: https://unlock.fund/pt-BR/tarrafahc

Matehackers Hackerspace: https://unlock.fund/pt-BR/matehackers

Garoa Hacker Clube: https://unlock.fund/pt-BR/garoa

 

 

 

 



Eventos de Software Livre em 2016

18 de Dezembro de 2015, 16:28, por Paulo Santana - 0sem comentários ainda

Eventos de Software Livre em 2016

 Obs: essa lista está em constante atualização.

 

JANEIRO

Campus Party Brasil 2016 - CPBR9
26 a 31 de janeiro de 2016
São Paulo - SP
http://brasil.campus-party.org

2º Encontro PyLadies Floripa
30 de janeiro de 2016
Florianópolis - SC
https://www.facebook.com/events/1660347674205807

FEVEREIRO

PHP com Rapadura in Fortaleza
26 e 27 de Fevereiro de 2016

Fortaleza - CE
http://phpcomrapadura.org

MARÇO

PgDay Curitiba
03 de março de 2016

Curitiba - PR
http://www.pgdaycuritiba.pr.gov.br

Open Data Day
05 de março de 2016

Várias cidades
http://opendataday.org

Mini-DebConf Curitiba 2016
05 e 06 de março de 2016

Curitiba - PR
http://br2016.mini.debconf.org

Open Education Week
07 a 11 de março de 2016

Várias cidades
http://www.openeducationweek.org

Workshop gratuito de programação para mulheres - Django Girls Rio de Janeiro
12 de março de 2016

Rio de Janeiro - RJ
https://djangogirls.org/riodejaneiro1

Workshop gratuito de programação para mulheres - Django Girls Campinas
12 de março de 2016

Campinas - SP
https://djangogirls.org/campinas

Darkmira PHP Tour Brasil
18 a 20 de março de 2016

Brasília - DF
https://br.darkmiratour.com

DFD 2016 - Document Freedom Day
30 de março de 2016

Várias cidades
http://documentfreedom.org

ABRIL

 

Arduino Day
02 de abril de 2016

Várias cidades
http://day.arduino.cc

Zabbix Conference na América Latina
15 e 16 de abril de 2016

Porto Alegre - RS
http://www.zabbix.com/conference_latam_2016.php

FLISOL 2016 - Festival Latino-americano de Instalação de Software Livre
16 de abril de 2016

Várias cidades
http://www.flisol.org.br

Joomla Day Bahia
21 e 22 de abril de 2016

Salvador - BA
http://jdayba.com.br

Seminário de Tecnologia em Software Livre TchêLinux
23 de abril de 2016

Lajeado  - RS
http://lajeado.tchelinux.org

 

MAIO

12º Fórum Espírito Livre
04 a 06 de maio de 2016
Vila Velha - ES
http://forum.espiritolivre.org/12ed

1ª Semana da Computação da UFF
04 a 07 de maio de 2016

Rio das Ostras - RJ
https://semanadacomputacaouff.wordpress.com

CryptoRave
06 a 07 de maio de 2016

São Paulo - SP
https://cryptorave.org

Conferência PHPRS 2016
07 de maio de 2016

Porto Alegre - RS
http://www.eventick.com.br/conferencia-phprs-2016

Workshop gratuito de programação para mulheres - Django Girls Recife
13 e 14 de maio de 2016

Recife - PE
https://djangogirls.org/recife2016

Scratch Day
14 de maio de 2016

Várias cidades
http://day.scratch.mit.edu

SciPy Latin America 2016 - Computação Científica com Python
16 a 20 de maio de 2016

Florianópolis - SC
http://conf.scipyla.org/scipyla2016

Workshop gratuito de programação para mulheres - Django Girls Novo Hamburgo
20 e 21 de maio de 2016

Novo Hamburgo - RS
http://railsgirls.com/novohamburgo

LaKademy 2016 - 4º Encontro LatinoAmericano dos Colaboradores do KDE
26 a 29 de maio de 2016

Rio de Janeiro - RJ
https://br.kde.org/lakademy2016

1º Encontro de Dev's PHP com Rapadura
28 de maio de 2016

Fortaleza - CE
http://encontro.phpcomrapadura.org

JUNHO

13º Fórum Espírito Livre
08 a 10 de junho de 2016
Santa Tereza - ES
http://forum.espiritolivre.org/13ed

IV Python Nordeste
09 a 11 de junho de 2016

Teresina - PI
http://2016.pythonnordeste.org

Seminário de Tecnologia em Software Livre TchêLinux
11 de junho de 2016

Bagé  - RS
http://bage.tchelinux.org

RuPy Campinas 2015
18 de junho de 2016

Campinas - SP
http://campinas.rupy.com.br

BHack Conference
25 e 26 de junho de 2016

Belo Horizonte - MG
http://www.bhack.com.br

DrupalCamp Campinas 2016
25 de junho de 2016

Campinas - SP
http://campinas2016.drupalcamp.com.br

Caipyra - Conferência de Python em Ribeirão Preto
25 e 26 de junho de 2016

Ribeirão Preto - SP
http://caipyra.python.org.br

JULHO

LuaConf 2016
09 de julho de 2016

Rio de Janeiro - RJ
http://luaconf.com

FISL17 - Fórum Internacional Software Livre
13 a 16 de julho de 2016

Porto Alegre - RS
http://www.fisl.org.br

WordCamp Belo Horizonte
23 de julho de 2016

Belo Horizonte - MG
https://2016.belohorizonte.wordcamp.org

AGOSTO

Workshop gratuito de programação para mulheres - Django Girls Porto Alegre
12 e 13 de agosto de 2016

Porto Alegre - RS
https://djangogirls.org/portoalegre

WordCamp Fortaleza
13 e 14 de agosto de 2016

Fortaleza - CE
https://fortaleza.wordcamp.org/2016

Debian Day ou Dia do Debian
16 (ou 13) de agosto de 2016

Várias cidades
https://wiki.debian.org/DebianDay/2016

1º PHPSP+IMA
20 de agosto de 2016

Campinas - SP
http://phpspima.com.br

2º Tech Day do GURU-PR
20 de agosto de 2016

Curitiba - PR
http://www.gurupr.org/eventos/2-tech-day-do-guru-pr

Campus Party Recife 2016 - CPRecife5
20 e 21 de agosto de 2016

Recife - PR
http://recife.campus-party.org

1ª Conferência das Comunidades Python do Sudeste
27 e 28 de agosto de 2016
Belo Horizonte - MG
http://pythonsudeste.org

VIII FTSL - Fórum de Tecnologia em Software Livre
31 de agosto a 02 de setembro de 2016
Curitiba - PR
http://www.ftsl.org.br

SETEMBRO

PgDay Curitiba
02 de setembro de 2016
Curitiba - PR
http://pgdaycuritiba.blogspot.com.br

GNUGRAF
03 de setembro de 2016
Niterói - RJ
http://gnugraf.org

Consoline - Congresso de Software Livre do Nordeste
03 de setembro de 2016
Recife - PE
http://www.softwarelivrene.org

SFD 2016 - Software Freedom Day
17 de setembro de 2016
Várias cidades
http://softwarefreedomday.org

RubyConf Brasil 2016
23 e 24 de setembro de 2016
São Paulo - SP
http://rubyconfbrcfp.com.br

WordCamp Rio de Janeiro
24 de setembro de 2016
Rio de Janeiro - RJ
https://2016.riodejaneiro.wordcamp.org

OUTUBRO

PGDay Campinas 2015
06 de outubro de 2016
Campinas - SP
http://pgdaycampinas.com.br

Workshop gratuito de programação para mulheres - Django Girls Belo Horizonte
07 a 08 de outubro de 2016
Belo Horizonte - MG
http://railsgirls.com/belohorizonte

PHPest - Conferência de PHP do Nordeste
08 e 08 de outubro de 2015
Salvador - BA
http://phpeste.net

PythonBrasil[12] - 12ª Conferência Brasileira da Comunidade Python
13 a 18 de outubro de 2016
Florianópolis - SC
http://2016.pythonbrasil.org.br

Workshop gratuito de programação para mulheres - Django Girls Florianópolis
14 de outubro de 2016
Florianópolis - SC
https://djangogirls.org/florianopolis

XIII Latinoware - Conferência Latino-americana de Software Livre
19 a 21 de outubro de 2016
Foz do Iguaçu - PR
http://www.latinoware.org

 

NOVEMBRO

 

Campus Party Belo Horizonte 2016
09 a 13 de novembro de 2016
Belo Horizonte - MG
http://belohorizonte.campus-party.org

XIII FGSL - Fórum Goiano de Software Livre
18 e 19 de novembro de 2016
Goiânia - GO
http://2016.fgsl.net

Workshop gratuito de programação para mulheres - Django Girls São Paulo
18 e 19 de novembro de 2016
São Paulo - SP
http://railsgirls.com/saopaulo

Workshop gratuito de programação para mulheres - Django Girls Maceió
novembro de 2016
Maceió - AL
https://djangogirls.org/maceio

UEaDSL – Universidade, EaD e Software Livre
21 a 25 novembro de 2016
a distância
https://www.ufmg.br/ead/ueadsl

DEZEMBRO

 

11ª PHP Conference Brasil
07 e 16 de dezembro de 2016
Osasco - SP
http://www.phpconference.com.br

Anos anteriores



Reflexão sobre o uso de ferramentas livres e não livres na nuvem

2 de Dezembro de 2015, 11:51, por Paulo Santana - 55 comentários

Há alguns dias fizemos uma reunião para iniciar os trabalhos de organização do FLISOL 2016 em Curitiba e alguns colegas que estavam participando pela primeira vez do grupo sugeriram usar o Slack como meio de comunicação entre os participantes, em substituição ao e-mail. Segundo o pessoal que sugeriu e que usa essa ferramenta em outros projetos, a vantagem de usar uma plataforma de web chat é poder agilizar as conversas e organizar melhor os trabalhos.

Na Comunidade Curitiba Livre usamos basicamente duas formas para comunicação interna: lista de discussão (e-mail) e o Telegram. Por isso poucos dias após a reunião do FLISOL, começamos a discutir se realmente era necessário usar uma nova ferramenta ou se deveríamos continuar com o que já estamos habituados. Pessoalmente acredito que sempre é válido experimentar novas soluções, desde que elas nos tragam benefícios reais como parece ser o caso de uma plataforma web chat. Mas também ficamos preocupados que se insistirmos em usar a lista de discussão, os novos voluntários possam se afastar por achar o e-mail uma forma não muito atrativa para continuar ajudando.

Decidimos manter o Slack até que possamos fazer outra reunião presencial para rediscutir o assunto, mas aí veio o segundo (e principal) problema: ele não é Software Livre, ou seja, o código não está disponível para ser baixado e usado livremente. Para quem acredita nos ideais do movimento Software Livre, usar softwares não livres sempre incomoda bastante. Não que isso nunca tenha acontecido no nosso grupo, o próprio Telegram não é Software Livre, o problema é que quanto mais exceções abrimos, mais ficamos reféns de soluções fechadas. Essa discussão sobre o uso de softwares fechados "na nuvem" já aconteceu em outras oportunidades dentro do nosso grupo e a questão central sempre foi se devemos ou não usar softwares não livres mesmo que eles tragam benefícios. Dessa vez fiquei refletindo bastante sobre o tema e decidi escrever esse texto.

Vou definir como softwares "na nuvem" os sistemas desenvolvidos e hospedados por terceiros e usados via web, ou seja, nós só usamos os serviços oferecidos por eles e não precisamos "baixar e instalar" no nosso computador pessoal. Observando todas as nossas discussões anteriores, percebi que para começar a usar um software na nuvem precisamos analisar três aspectos:

  1. A qualidade do software (serviço);
  2. Se o código é livre ou não;
  3. Como funciona a hospedagem.

A primeira questão é se o software é realmente bom e se teremos ganhos de produtividade ao utlizá-lo. No momento lembro dos softwares abaixo que, no meu ponto de vista, apresentam esses benefícios e que foram (ou ainda são) utilizadas no nosso grupo:

  • Google Docs para a criação compartilhada de documentos;
  • Facebook e Twitter para divulgação das nossas atividades principalmente para o público leigo;
  • Meetup também para a divulgação das nossas atividades mas como alternativa para quem não quer usar o Facebook;
  • Dropox para armazenar arquivos compartilhados;
  • Telegram para comunicação em grupo;
  • Slack para comunicaçao em grupo e organização dos trabalhos por ter integração com outras ferramentas.

Vou chamar esses softwares de "líderes de mercado" porque na minha opinião, eles são os que desempenham melhor as funções a que se propõe.

O problema é que todos esses líderes de mercado não tem o código aberto, o que nos leva ao ponto dois dos três aspectos citados anteriormente. Alguns desses softwares possuem alternativas livres, mas infelizmente na grande maioria dos casos esses substitutos não oferecem as mesmas vantagens ou não possuem a mesma audiência (no caso das mídias sociais) que os softwares não livres. Podemos usar:

Quero reforçar que todas essas soluções livres são ótimas alternativas para evitar as soluções fechadas, mas infelizmente por melhores que elas sejam, não conseguem (ainda) oferecer exatamente as mesmas vantagens dos líderes de mercado.

Para complicar um pouco mais temos o ponto três, que é a hospedagem. Quando usamos os líderes do mercado, não nos preocupamos onde o software está hospedado porque o serviço está alí sempre disponível quando precisamos, ele está na "nuvem". Algumas das alternativas livres não são oferecidos como serviços, ou seja, temos que baixar o software e fazer a nossa própria hospedagem. Idealmente cada pessoa ou grupo deveria manter os softwares com que trabalha em um servidor próprio afim de garantir a sua liberdade e privacidade. Mas muitas vezes não é possível ter um servidor próprio seja por custo ou por desconhecimento técnico de como fazer.

E aí nos colocamos em um dilema com duas possibildades principais:

  1. Usamos os serviços dos líderes de mercado que nos ajudarão a ter mais produtividade ou a ter mais audência, sem a preocupação com hospedagem, abrindo mão da nossa liberdade e privacidade, mesmo que estes não sejam softwares livres? ou
  2. Usamos apenas soluções que tem o código aberto, com algumas limitações e que na maioria dos casos teremos que providenciar a nossa própria hospedagem, mas nos mantendo fieis aos ideais do movimento Software Livre?

É possível notar que grupos que participam de discussões mais tecnológicas como os de linguagens de programação e CMS's, tendem a optar mais pela primeira alternativa, ou seja, eles usam serviços que vão ajudar na comunicação e produtividade indepentende se as ferramentas são ou não softwares livres. O que mais é levado em consideração é se essas soluções apresentam vantagens para o grupo. Tanto é que muitos desenvolvedores não usam GNU/Linux em seus computadores pessoais, optando por sistemas operacionais proprietários. Obviamente isso não é regra geral, sempre existem excessões nesses grupos com pessoas mais preocupadas com a questão da liberdade e privacidade.

Quando o grupo é mais voltado as discussões filosóficas/sociais/culturais do uso e desenvolvimento de Software Livre, como é o caso da Comunidade Curitiba Livre, da Associação Software Livre.Org, e de vários outros grupos, o fato da ferramenta ter o código aberto passa a ter mais importância do que as vantagens oferecidas pelas soluções não livres. Mesmo que o software usado esteja sendo hospedado por terceiros, ter acesso ao código e ter a possibilidade de baixar e instalar a sua própria instância deixa as pessoas mais confortávéis para usá-lo.

Percebo que a maioria desses grupos mais preocupados em usar softwares livres tem adotado uma terceira via que não é tão complacente com todos os softwares fechados na nuvem e não é tão "radical" para usar apenas softwares livres que é: sempre que possível, usar ferramentas de código aberto para a organizar atividades e eventos (indepentende se ele é hospedado por terceiros ou se será necessário fazer a própria hospedagem). E usar ferramentas fechadas, especialmente de mídias sociais, para divulgar as atividades para o público em geral, possibilitando assim alcançar principalmente pessoas que não são da comunidade de Software Livre.

Como mantenho no meu site uma lista dos eventos de Software Livre que acontecem pelo país, não posso terminar esse texto sem citar um fato que me chamou a atenção recentemente: a quantidade de eventos que passaram a utilizar soluções fechadas como Eventbrite e Doity, provavelmente pela facilidade que esses sistemas oferecem para organizar desde a inscrição até a programação. Além de não ser necessário desenvolver um sistema e manter em um servidor próprio. Mas o preço é novamente a falta de liberdade de ter acesso ao código e muito provavelmente a falta de privacidade já que essas empresas devem aproveitar de alguma forma os dados dos usuários cadastrados. Esses sites são um grande exemplo do antagonismo criado pela "facilidade de uso/comodidade" x "código aberto/liberdade/privacidade".

O objetivo desse texto não foi dizer "use isso" ou "não use aquilo", mas promover uma reflexão sobre esse tema tão complicado e quem sabe provocar algumas respostas. Por fim coloco abaixo dois banners de uma campanha da Free Software Foundation Europe (FSFE):

 

Thereisnocloud

 

Thereisnocloud-2



FLISOL2016

27 de Novembro de 2015, 1:13, por Paulo Santana - 0sem comentários ainda

Banner-simples-1



Podcasts brasileiros que falam de Software Livre e/ou GNU/Linux

29 de Outubro de 2015, 12:11, por Paulo Santana - 0sem comentários ainda

Podcast-header

Fiz uma relação de podcasts que falam de alguma forma de Software Livre e/ou GNU/Linux. Alguns podcasts abordam esses temas de forma mais recorrente, e outros apenas em alguns epsódios. Normalmente as discussões são voltadas para questões mais técnicas do que filosóficas/sociais.

Opencast

Texto do site: o Opencast terá como tema principal o Software Livre. O objetivo do Opencast será de trazer informações sobre o mundo do software livre, sendo boas ou más notícias, sempre faremos nossos comentários pessoais e técnicos sobre os assuntos. Ao contrário do que fazemos no grupo Caudilho Livre, aqui comentaremos as intervenções políticas que envolvam software livre tanto no Brasil quanto no mundo. Não criticaremos partidos ou pessoas, apenas daremos nossa opinião sobre as decisões tomadas e os rumos aos quais tais decisões podem levar o software livre.

O Opencast é gravado por um grupo coordenado pelo Ivan desde desde 2011. Nesse momento existem 56 epsódios disponíveis. Pelos temas discutidos nos programas e frequência das publicações, dá para afirmar que o Opencast é hoje o principal podcast para quem gosta de Software Livre e GNU/Linux.

Site: http://tecnologiaaberta.com.br/category/opencast

Hack ‘n’ Cast

Texto do site: o Hack 'n' Cast é um podcast livre e aberto, produzido colaborativamente e tem como objetivo ser da comunidade, pela comunidade e para a comunidade. Apesar de ser feito por várias pessoas, seu desenvolvimento é coordenado por 17 pessoas.

O principal coordenador do Hack 'n' Cast é o Magnun - criador, desenvolvedor e autor do blog Mind Bending. Existe desde 2014 e nesse momento tem 16 epsódios disponíveis sobre temas diversos, entre eles GNU/Linux, Cultura Hacker e Python.

Site: http://hackncast.org

Castálio Podcast

Texto do site: com o objetivo de entrevistar e ao mesmo tempo apresentar pessoas e projetos que sejam fonte de inspiração para os ouvintes, este podcast trará de 15 em 15 dias uma nova vítima, err figura Brasileira que será sabatinada de todos os ângulos para o seu deleite! O Castálio Podcast é fruto da imaginação e curiosidade incansável de Og Maciel, um brasileiro que desde 1991 mora nos Estados Unidos mas que nunca deixou de prestigiar suas raizes! Caso você tenha alguma sugestão para o nosso próximo convidado, nos envie sua idéia para o nosso e-mail.

O Castálio Podcast é gravado desde 2011 e nesse momento existem 64 epsódios disponíveis. Alguns dos entrevistados são membros conhecidos da comunidade brasileira de Software Livre e GNU/Linux, então esses temas acabam sendo recorrentes.

Site: http://castalio.info

DatabaseCast

Texto do site: o DatabaseCast é o primeiro podcast brasileiro sobre banco de dados. Mauro Pichiliani e Wagner Crivelini falam sobre banco de dados, programação, administração, dados, carreira, mercado, SQL Server, Oracle, MySQL, PostgreSQL, NoSQL, DB2, Informix, Sybase e diversos outros assuntos da área de tecnologia voltados para o desenvolvimento de aplicações. 

Focado em banco de dados, o DatabaseCast existe desde 2010 e tem bastante epsódios, vários deles falando sobre bancos de dados em software livre.

Site: http://imasters.com.br/perfil/databasecast

DioCast

Texto do site: um programa muito bacana sobre Linux e Tecnologia para você ouvir enquanto faz as suas atividades.

DioCast é gravado desde 2014 pelo Dionatan Simioni, tem poucos epsódios porque pelo que deu para perceber, ele passou a fazer vídeos para o seu canal no youtube chamado DioLinux.

Site: http://www.diolinux.com.br/search/label/DioCast

Canal no youtube: https://www.youtube.com/Diolinux

GuanaCast

O GuanaCast é (ou era) gravado pelo Gustavo Guanabara sobre temas diversos, mas existem alguns epsódios que ele fala de temas relacionados a Software Livre e/ou Linux.

Site: http://www.guanabara.info

Nerdcast

O Nerdcast é o podcast mais conhecido no Brasil, gravado pelo pessal do Jovem Nerd. Eles gravam um epsódio sobre a profissão de programador e em algum momento falaram sobre Software Livre.

 Site: http://jovemnerd.com.br

Free as in Freedom

Vale a citação do Free as in Freedom, um podcast em inglês gravado desde 2010 por Bradley M. Kuhn e Karen Sandler, ambos diretores da Software Freedom Conservancy e importantes ativistas da comunidade Software Livre.

Mais informações aqui.

Site: http://faif.us

 



Parabéns a comunidade brasileira de usuários e desenvolvedores Debian!

28 de Outubro de 2015, 10:16, por Paulo Santana - 0sem comentários ainda

Fiz um banner para celebrar as atividades realizadas pela comunidade brasileira de usuários e desenvolvedores Debian em 2015 :-)

 

 

Banner-minidebconfs